Tensão: RÚSSIA NÃO ESTÁ EMITINDO UM ULTIMATO, MAS PROPONDO AO OCIDENTE RESOLVER PROBLEMAS, DIZ DIPLOMATA

Nesta quinta-feira (13), a Rússia participou de consultas sobre suas propostas de segurança com Comissão Permanente da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) em Genebra, na Suíça.

MOSCOW, RUSSIA - FEBRUARY 19: Russian Foreign Ministry's spokesman Alexander Lukashevich gives a speech during a press release at thhe Ministry of Foreign Affairs of the Russia in Moscow on February 19, 2015. (Photo by Nikita Shvetsov/Anadolu Agency/Getty Images)

Após a reunião, o representante oficial russo na OSCE, Aleksandr Lukashevich, conversou com jornalistas e garantiu que a posição do governo da Rússia ficou clara.

“Mais uma vez a Rússia apresentou de maneira clara e detalhada a essência das iniciativas contidas nos documentos de segurança”, disse Lukashevich em entrevista após a reunião.

No entanto, Lukashevich explicou que por conta de diferenças fundamentais encontradas nas reuniões simultâneas da última quarta-feira (12), com a OTAN e os Estados Unidos, o governo russo precisa de uma forma legal para garantir o plano de segurança.

“As diferenças fundamentais que sentimos em Genebra, especialmente no que toca à estrutura da discussão no Conselho Rússia-OTAN sobre como o princípio da indivisibilidade da segurança é interpretado, é claro, nos convencem cada vez mais da justeza dos argumentos russos de que este princípio e as garantias de que este será implementado deveriam estar registrados de forma juridicamente vinculativa”, explicou o representante russo.

Aleksandr Lukashevich garantiu que a Rússia não está “emitindo um ultimato, mas propõe resolver de maneira profissional os problemas que surgiram e encontrar compromissos nessa questão”.

“Se não ouvirmos uma resposta construtiva às propostas que fizemos dentro de um prazo razoável e a política agressiva em relação à Rússia continuar, [nós] vamos ter que tirar as conclusões correspondentes e tomar todas as medidas necessárias para manter um equilíbrio estratégico de poderes e prevenir ameaças inaceitáveis à nossa segurança nacional”, completou Lukashevich.

Lukashevich também informou que os próximos passos das negociações, tanto com a OTAN quanto com os Estados Unidos, vão ser definidos após reunião com o presidente Vladimir Putin.
“Claro que vamos apresentar um relatório completo ao presidente da Federação da Rússia, e ele vai determinar com que velocidade vamos tomar os seguintes passos, de qual forma e quando”, disse Lukashevich.

Em 17 de dezembro, Moscou publicou projetos de um acordo para reformular a segurança europeia, que propõem o fim da expansão para o leste da OTAN, incluindo para a Ucrânia, e a não colocação de mísseis, armas nucleares ou meios militares na proximidade dos dois lados.

(Da Redação com Sputnik)

leave a reply