Inacreditável: ADOLESCENTE É CONDENADA A PAGAR US$ 150 MIL POR MATAR ESTUPRADOR NOS EUA

Juiz determinou que Pieper Lewis receberia cinco anos de liberdade condicional, prestaria 200 horas de serviço comunitário e pagaria US$ 150.000 em restituição à família do homem.

Um juiz de Iowa, nos Estados Unidos, decidiu na terça-feira (13) que uma menina de 15 anos que matou um homem que a estuprou várias vezes deve pagar à família dele US$ 150.000 (cerca de R$ 779 mil) em restituição.

Pieper Lewis, que matou seu suposto estuprador em 2020, recebeu a condenação adiada do juiz distrital do condado de Polk, David Porter, depois de se declarar culpada de homicídio voluntário e lesão intencional.

Porter determinou que Pieper receberia cinco anos de liberdade condicional, prestaria 200 horas de serviço comunitário e pagaria US$ 150.000 em restituição. O julgamento adiado significa que isso pode ser retirado do registro de Pieper.

A lei de Iowa exige que o tribunal condene os infratores a pagar pelo menos US$ 150.000 em restituição se matarem outra pessoa.

Pieper se declarou culpada em junho de 2021 pelo assassinato de Zachary Brooks. De acordo com o acordo, Pieper disse que Brooks, 37, a estuprou várias vezes em 2020. Ela foi originalmente acusada de assassinato em primeiro grau.

Ela disse no acordo de confissão que fugiu de casa várias vezes e acabou dormindo no corredor de um complexo de apartamentos.

Um homem a acolheu, mas ela foi embora quando ele se tornou abusivo, escreveu no acordo de confissão. Ela disse que foi morar com outro homem que criou um perfil de namoro online para ela e fez um esquema para que homens fizessem sexo com ela por dinheiro. Ela morava com aquele homem, que lhe disse que era namorada dele, de abril de 2020 até ser presa por matar Brooks, disse Pieper.

Ela foi apresentada a Brooks em maio de 2020 e ele lhe deu álcool e maconha e fez sexo com ela cinco vezes enquanto ela estava inconsciente por um período de três dias, disse ela em seu depoimento.

Em 31 de maio, o homem com quem Pieper morava a confrontou com uma faca depois que ela recusou sua ordem de ir ao apartamento de Brooks para fazer sexo com Brooks em troca de maconha, ela escreveu. Eventualmente, ela concordou em ir depois que ele cortou seu pescoço, ela disse no depoimento. Brooks a pegou e a levou de volta para seu apartamento, onde disse para ela ir para o quarto.

Ela foi forçada a beber doses de vodca e adormeceu, ela escreveu em seu acordo de confissão. Em um ponto da noite ela acordou e Brooks a estava estuprando, ela disse. Brooks adormeceu e Pieper foi buscar suas roupas. Quando ela voltou para o quarto, ela o viu desmaiado nu, ela escreveu.

“De repente, percebi que o Sr. Brooks havia me estuprado mais uma vez e estava tomada pela raiva. Sem pensar, imediatamente peguei a faca de sua mesa de cabeceira e comecei a esfaqueá-lo”, afirmou Pieper no acordo de confissão. “Reconheço ainda que as múltiplas facadas que infligi ao Sr. Brooks depois disso resultaram em sua morte”.

No tribunal na terça-feira (13), Pieper leu um comunicado.

“Minha história pode mudar as coisas. Minha história me mudou”, disse ela. “Os eventos que ocorreram naquele dia horrível não podem ser alterados, tanto quanto eu gostaria de poder. Naquele dia, uma combinação de ações complicadas ocorreu, resultando na morte de uma pessoa, bem como na inocência roubada de uma criança”.

“À medida que cresço e evoluo como jovem, sinto pela família da vítima. Desejo que o que aconteceu nunca tenha acontecido. E realmente me sinto assim. O processo de cura é inevitável. Repito, desejo que os eventos ocorridos em 1º de junho de 2020 nunca tivessem ocorrido. Mas dizer que há apenas uma vítima dessa história é absurdo”.

O advogado de Pieper disse que estava satisfeito com o adiamento da sentença do tribunal. “Estamos muito entusiasmados com a decisão do juiz Porter no caso. Um julgamento adiado permitirá que Pieper viva uma vida plena”, disse Matt Sheeley à CNN.

“Pieper é extremamente grata por todo o amor, compaixão e apoio que ela recebeu. Qualquer um que a conheceu imediatamente se apaixona por ela”, disse Sheeley. “Ela é uma jovem notável que tem uma coragem notável. E ela está impressionada com todo o amor que ela recebeu – ela está simplesmente encantada. Estamos todos francamente encantados”.

Explicando sua decisão de ordenar o serviço comunitário, o juiz Porter disse: “O propósito disso, Sra. Lewis, é que você tenha uma história para contar… E, portanto, você vai retribuir por meio de horas de serviço comunitário”.

Sheeley não disse se planejam recorrer da decisão de restituição no caso. Um ex-professor de Pieper está arrecadando dinheiro para pagar a restituição e para futuras despesas educacionais.

KellyMarie Meek, da Iowa Coalition Against Sexual Assault, disse estar preocupada com a decisão de terça-feira.

“Não acho que a justiça tenha sido feita. Acho que a justiça não teria visto Pieper Lewis passar algum tempo atrás das grades”, disse Meek à CNN. “Este não é o pior resultado que poderia ter acontecido, mas está longe de ser o melhor e definitivamente não é justiça”.

KellyMarie também expressou preocupação com a capacidade de Pieper de gerenciar os termos de sua liberdade condicional devido à gravidade de seu trauma.

“Cinco anos [de] liberdade condicional sob supervisão estrita é algo que me preocupa, porque sei que muitas das maneiras pelas quais os sobreviventes de trauma lidam com seu trauma não são muito bem compreendidas por pessoas que não sofreram trauma, o que às vezes pode levar a comportamentos que colocam as pessoas em apuros”, disse ela.

KellyMarie disse que entendeu a decisão de restituição e o fato de o juiz não ter nenhum poder discricionário.

“Funcionou muito mal neste caso, mas não quero balançar o pêndulo automaticamente e dizer, vamos nos livrar disso”, disse ela.

As famílias de muitas vítimas lutaram arduamente para que a lei de restituição fosse aprovada, ela disse acrescentando que o que é necessário agora é discutir com “muitas vozes na mesa para descobrir como podemos obter às vítimas do crime o apoio de que precisam e não punir injustamente pessoas”.

 

(Da Redação com CNN Brasil – Foto: Witthaya Prasongsin/Getty Images)

leave a reply