Coluna Caio Gottlieb: TOMA LÁ, DÁ CÁ

Ninguém fala abertamente sobre essas coisas, é claro, mas comenta-se nos altos círculos do poder que o Centrão, como é conhecido o célebre conglomerado suprapartidário de deputados e senadores que controla a maioria das votações no Congresso Nacional, teria negociado (entenda como quiser) o comando de quatro ministérios em troca do apoio a Bolsonaro.

Considerando-se que seja verdadeiro, o acordo foi parcialmente cumprido com a recente entrega da Secretaria de Governo à deputada Flávia Arruda, indicada pelo presidente da Câmara, Arthur Lira, um dos líderes do consórcio.

A confraria, que reúne exímios profissionais da política, não prega prego sem estopa.

Trata-se da estratégica função com gabinete no Palácio do Planalto encarregada de liberar as bilionárias verbas das famosas emendas parlamentares, que, logicamente, também estão incluídas no acerto.

Mas essa é só a parte nova do oportuno casamento de interesses que escancarou as portas do governo para a entrada da turma, já que desde o início do ano passado dezenas de indicados do grupo passaram a ocupar cargos que dominam gordos orçamentos no segundo e terceiro escalões da República.

Em que pese tudo isso, não existe nenhuma garantia de que esse pessoal devotará fidelidade canina a Bolsonaro em qualquer circunstância, como, por exemplo, no caso de ocorrer uma crise que resulte em forte perda de popularidade do presidente.

Como todo mundo sabe, o Centrão participa do velório, até vai no enterro e chora, mas não entra junto na cova.

A Dilma que o diga.

(Leia e compartilhe outras postagens acessando o site: caiogottlieb.jor.br)

Seja o Primeiro a comentar on "Coluna Caio Gottlieb: TOMA LÁ, DÁ CÁ"

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.


*


%d blogueiros gostam disto: