O Refúgio, mantido pela Itaipu Binacional, é um lar seguro para mais de 360 animais, alguns deles estão na lista elaborada pelo Governo Federal com 25 animais que são prioridade para a conservação, porque estão em extinção no Brasil.

Até no descanso, ela está atenta a cada movimento: essa é a Poty, uma onça-pintada que nasceu sob cuidados humanos no Refúgio Biológico Bela Vista, na cidade de Foz do Iguaçu. A jovem felina, de 1 ano e 8 meses, pesa cerca de 70 quilos. Pedro é o médico veterinário que acompanha o crescimento dessa menina negra desde o nascimento.
.
A herança vem da mãe, Nena, que te 8 anos. O pai, Valente, tem a pelagem tradicional que a gente conhece das onças-pintadas. O macho, de 14 anos, é um dos últimos animais da Mata Atlântica sob cuidados humanos. Ele foi resgatado em uma fazenda no Vale do Ivinhema, no Mato Grosso do Sul, e trazido para o Refúgio para formar uma família.
Poty e o seu irmão, Pytu, nasceram em junho de 2019. Poty, no idioma indígena Avá-Guarani significa flor. Já Pytu, fôlego. Eles têm uma irmã mais velha que se chama CacauO recinto onde eles vivem tem vegetação nativa e elementos da natureza onde possam se esconder quando quiserem. Pela beleza espetacular, são eles – as onças – os animais que mais chamam atenção dos turistas que visitam o Refúgio.
.

Refúgio Biológico Bela Vista é realmente um aconchegante abrigo, um lar seguro para mais de 360 animais. Nele, as lontras podem brincar na água e antas nadam para se refrescar do calor da fronteira. Os cervos do pantanal pastam tranquilamente em terras paranaenses. Apesar do nome, eles não vivem só nas áreas alagadas do Centro-Oeste, também são comuns no Cerrado e parte da Mata Atlântica. Ou eram.

.

Assim como as onças, essa espécie também está na lista elaborada pelo Governo Federal com 25 animais que são prioridade para a conservação, porque estão em extinção no Brasil.

.

No Refúgio, vivem três cervos que são a prova da eficácia do programa de conservação das espécies, porque dois deles, que são fêmeas, estão prenhas. Coisa que não se vê aqui por 8 anos! Esse é o começo de uma gestação que vai durar nove meses.


Do Refúgio

Com mais de 36 anos de história, o Refúgio Biológico Bela Vista (RBV), da Itaipu, é referência em conservação de fauna e flora, especialmente para outras empresas do setor elétrico. A unidade de conservação ocupa uma área de 1.780 hectares

Hoje, o RBV integra e é reconhecido como um posto avançado da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica (RBMA). O refúgio também compõe o Corredor de Biodiversidade do Rio Paraná, que conecta o Parque Nacional do Iguaçu às áreas protegidas da Itaipu e ao Parque Nacional de Ilha Grande. Boa parte da vegetação que hoje é floresta foi recomposta pela Itaipu de áreas de pastagens e gramíneas.

O Zoológico Roberto Ribas Lange, principal atrativo do roteiro de visitação ao RBV, abriga 172 animais de 50 espécies, sendo 47 répteis e anfíbios, 65 aves e 60 mamíferos. Os animais são provenientes do próprio criadouro de animais silvestres da Itaipu, de outros zoológicos ou de órgãos ambientais como IAP, Ibama, ICMBio e Centro de Triagem de Animais Silvestres da PUC-PR.

O RBV conta, ainda, com o maior e mais bem-sucedido programa de reprodução de harpias do mundo. Desde 2009, nasceram ali 50 harpias. A unidade também tem tido sucesso na reprodução de onças-pintadas, com os últimos dois nascimentos ocorridos em junho de 2019. O primeiro foi em 2016.

(Da Redação com RPC e JIE)

By admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *